terça-feira, 12 de março de 2013

Você descansa adequadamente o seu corpo entre as sessões de treinamento?

Para que o seu organismo e, especificamente, a sua musculatura obtenham os benefícios gerados pelo exercício físico periódico e planejado, é muito importante o descanso correto entre os dias e sessões de treinamento. Dependendo da intensidade e duração do exercício, a recuperação das lesões musculares será atingida mais rapidamente ou em menor tempo.
 
Normalmente, esforços físicos que demandam a utilização de sobrecarga elevada exigem um período de recuperação maior, pois as microlesões estruturais do músculo serão mais evidentes. O objetivo desse descanso é justamente evitar lesões mais graves para a musculatura e tendões, evitando problemas como tendinites e estiramentos musculares. Alguns exemplos são as aulas de ciclismo indoor, que utilizam fibras musculares do tipo 2 (“tiros” anaeróbios intensos), treinos intensos de musculação e aulas de ginástica localizada, que priorizam grande sobrecarga com menos repetições.
 
Em contrapartida, os treinamentos de intensidade leve ou moderada permitem um intervalo pequeno de recuperação entre as sessões de treinamento. Isso acontece porque as fibras musculares tipo 1 são prioritariamente utilizadas nessas intensidades. Diferentemente da fibra muscular tipo 2, que é branca, rápida e glicolítica. A fibra muscular tipo 1 é vermelha, lenta e oxidativa.
 
As fibras vermelhas ou tipo 1 são utilizadas em exercícios aeróbios (presença de O2), que permitem uma grande duração da atividade. A capacidade de geração de energia é facilitada, possibilitando a continuidade do exercício sem aquela desagradável queimação muscular. Exercícios que utilizam fibras tipo 1 são indicados para iniciantes, reabilitação, gestantes no 1º trimestre e para treinos regenerativos. Quem almeja performance, hipertrofia muscular, emagrecimento e aumento do limiar ventilatório, deverá priorizar os treinamentos que recrutam as fibras musculares brancas ou tipo 2.
 

 
Essa seleção de utilização de fibra muscular conjugada com a duração do treinamento são os fatores determinantes para estabelecer a magnitude das lesões estruturais da fibra muscular. A lesão maior indica que o treino foi qualitativo ou exagerado. Isso dependerá do nível de condicionamento do indivíduo, tempo de treinamento e motivação. Um exemplo clássico é quando o aluno se queixa ao professor de dores musculares que comprometem até o seu caminhar. Já as microlesões menores podem indicar que a intensidade do treinamento foi adequada ou subestimada. Existem pessoas que utilizam o mesmo método por meses e até anos. O que será que está acontecendo?

É interessante que os indivíduos tenham um diálogo aberto com o seu professor de educação física, no sentido de evitar algum tipo de problema causado por exercícios físicos que extrapolam ou subestimam a sua real capacidade. Sinta os sinais e alertas do seu organismo e relate ao profissional que o acompanha.

Não se esqueça que o corpo fala. Bom descanso!